Salões de beleza, estética e barbearias: como atuar em tempos de coronavírus

 

As barbearias, esmalterias, estéticas e salões de beleza são serviços baseado em uma abordagem pessoal e, inevitavelmente, exigem contato próximo com os clientes, e é por isso que os cuidados precisam ser redobrados em um período como o que vivemos atualmente, com a pandemia do coronavírus (Covid-19).

Lavar as mãos é o novo mantra de quem sai às ruas, inclusive para clientes e profissionais de beleza. Lave as mãos com água e sabão antes e depois dos procedimentos. O álcool gel também é bem-vindo. Esses passos já reduzem a chance de contaminação e essas pequenas mudanças fazem diferença para quem trabalha e para quem é atendido.

O estabelecimento deve redobrar o cuidado com a limpeza, fornecendo máscaras e álcool em gel 70%. Além de respeitar o distanciamento de dois metros de cada cadeira, ou maca, e um metro e meio de cada pessoa.

A consultora do Senac MS, Valeska Ferreira, enfatiza a importância dos cumprimentos das medidas de biossegurança, que são um conjunto de medidas que buscam minimizar os riscos inerentes a uma determinada atividade.

“O segmento da beleza já segue uma série de normas de biossegurança, para evitar a contaminação na rotina diária de salões, clínicas de estética e barbearias e garantir um atendimento de qualidade aos clientes. Mas em tempos de pandemia, com os riscos aumentados de contágio, esses cuidados precisam ser redobrados para garantir a segurança de todos, profissionais e clientes”, explica.

Confira algumas dicas para garantir essa segurança em espaços de beleza:

Higienização criteriosa

Móveis e superfícies precisam ser higienizados com álcool 70% várias vezes ao dia. Assim como mesas, cadeiras e os utensílios onde mãos e pés ficam apoiados, no caso das manicures. Nesse caso, incentivar a cliente a levar o “kit manicure” de casa também é uma boa opção, do contrário, o processo de esterilização realizado pelo próprio salão deve seguir o procedimento segundo as normas.

Limpeza extra

Manter o salão seguro significa um pouco de limpeza extra. A desinfecção de superfícies é uma maneira essencial de impedir a propagação do coronavírus e de todos os vírus da gripe sazonal. Então, limpar chão e balcões a cada atendimento, telefones, ferramentas e maçanetas reduzirá a propagação de germes de pessoa para pessoa.

Esterilização

Boa parte dos materiais usados nos salões, como pinça, alicate, tesoura e cortador de unha, já são esterilizados em autoclave por determinação legal, justamente para evitar a contaminação dos clientes. Já as lixas devem ser descartáveis.

As capas para corte de cabelo também precisam de cuidados especiais. Se ela é plástica, pode ser higienizada como uma superfície. Senão, é preciso lavar a cada uso. O ideal é ter mais capas à disposição. Considere uma opção de papel reciclável e ecológica para secagem das mãos versus uma toalha usada repetidamente ao longo do dia.

De olho no horário

Tente diminuir o tempo que você passa no salão. Optar por serviços mais rápidos é uma dica, para não ficar tanto tempo em um ambiente fechado. Evite fazer tudo no mesmo dia: mão, pé, depilação, sobrancelha, descolorir o cabelo, etc.

Prefira salões de bairro, com menos movimento, e também horários de menos circulação – evite os finais de semana, por exemplo. De acordo com a normativa legal da SESAU/SEMADUR de Campo Grande, os salões são obrigados a espaçarem as marcações a fim de garantir um menor fluxo de pessoas no local.

Proteção para todos

Todos os profissionais desses estabelecimentos devem usar máscara, conforme normativa legal da SESAU/SEMADUR de Campo Grande. Tanto para o caso de o profissional tossir ou conversar e as gotículas de saliva se depositarem no rosto do cliente, quanto no caso de o próprio cliente tossir.

O uso de luvas também é indicado. Mas o ideal é mesmo assim lavar as mãos antes e depois de colocar o acessório.

EPIs

Os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) também são importantes para a prevenção: uso de jaleco, luvas e máscaras.

Luvas – descartar a cada atendimento.
Máscaras – descartar ou se forem de tecido lavar com água e sabão e molho em água sanitária por 15 minutos para reutilizar.

Produtos usados para desinfecção

Álcool 70% – líquido e gel – Uso para desinfecção de mãos e pequenas superfícies; móveis; utensílios/objetos “tocáveis” – maçanetas, interruptores, torneiras, corrimão

Água sanitária 0,1 ou 0,5%:

  • 0,1% – 1 medida de água sanitária para 19 medidas de água limpa. Usar nos móveis e utensílios/objetos “tocáveis” – maçanetas, interruptores, torneiras, corrimão.
  • 0,5% – 1 medida de água sanitária para 3 medidas de água limpa. Usar nos pisos, calçadas, objetos que tocam o chão: pneus, solado de sapato, base de andadores, bengalas, etc.

O que fazer em caso de suspeita de infecção por COVID em alguém da equipe?

Sugerimos as ações abaixo, porém esteja atento às orientações e protocolos do Ministério da Saúde, pois eles podem sofrer alterações.

  • Suspensão das atividades laborais e isolamento domiciliar imediato por 14 dias;
  • Caso seja realizado teste laboratorial e descartada a infecção, o profissional poderá retornar ao trabalho antes do 14º dia, desde que apresente laudo do teste realizado;
  • Comunicação imediata aos demais membros da equipe sobre a suspeita de infecção;
  • Revisão da agenda de atendimento do profissional com suspeita de infecção e imediata comunicação aos clientes atendidos nas últimas 72 horas;
  • Monitoramento dos demais colaboradores da empresa, com verificação de temperatura corporal diária e possíveis apresentações de sintomas

 

Confira na íntegra a normativa legal da SESAU/SEMADUR de Campo Grande.

Se você está no interior do estado, confira as orientações no site da Prefeitura de seu município.

Publicado em
Leia outros textos sobre Beleza e Bem-estar, Blog
Itinerario Formativo

ESCOLHA O CURSO CERTO PARA SUA CARREIRA

O itinerário formativo vai ajudar a planejar sua carreira profissional. Escolha os caminhos que deseja percorrer, e alcance novas oportunidades com os cursos do Senac/MS!

PLANEJE SUA CARREIRA AGORA